domingo, 1 de julho de 2012

Sete mares


Por mais aventureiro que seja o marujo, ele não ousará a enfrentar os mistérios e a tormenta do oceano sem que almeje achar um porto. Encontrei o meu nos seus olhos e lamento ter deixado afundar a nau que trazia o amor que é só seu.

Pretendo consertar o malfeito. Em breve, chego de bote. Serão idas e vindas, viagens mais longas, esforços mais duros, mas aos poucos vou levando o que tenho guardado pra você.

Apenas me perdoe, eu suplico.
E esteja certa de que meu barco sempre voltará permeando a curva do seu sorriso... aquele que você só dá quando olha pra mim.

Augusto
Setembro de 1963

3 comentários:

Natália Campos disse...

"(...)permeando a curva do seu sorriso" - que coisa bonita. Gostei muito dos sete mares!

Beijos!

mfc disse...

Mas que carta mais linda... e sorridente!

Beijinhos,

capegurski disse...

Que lindo!